Contate-nos
HUESKER Ltda.
Av. Dr. Sebastião Henrique C. Pontes, 8000 Galpão E
CEP 12.238-365 São José dos Campos - SP
Brasil
Publicações Técnicas
Montestruque Vilchez, G. | Rodrigues, R.M.

Simulação através do Método dos Elementos Finitos da Inclusão de Geogrelha como Sistema Anti -Reflexão de Trincas

Resumo

A vida de fadiga de um pavimento flexível não deve ser prevista por meio de um modelo que seja função apenas da deformação máxima de tração sob o revestimento asfáltico. A propagação das trincas por fadiga através da espessura da camada asfáltica deve ser considerada. A simulação do caminhamento de uma trinca através da espessura da camada asfáltica pode ser feita pelo Método dos Elementos Finitos (MEF). O presente trabalho descreve a simulação através do Método dos Elementos Finitos com a finalidade de interpretar resultados obtidos de ensaios dinâmicos de fadiga. O ensaio foi realizado sobre vigas de concreto asfáltico com o objetivo de avaliar o efeito da geogrelha como camada intermediária de reforço. A simulação realizada com a utilização do software MSC.NASTRAN (NAsa STRuctural ANalysis) explica o mecanismo observado em laboratório. 

Conclusão

A simulação esclarece o porque da camada asfáltica de recapeamento tem sua vida de fadiga incrementada pela ação estrutural da geogrelha, ao impedir a formação de uma única trinca de reflexão que monopolize a dissipação de energia em sua extremidade.

A Aderência entre o concreto asfáltico e o material de reforço é de vital importância para que o material de reforço estrutural introduzido possa cumprir com eficácia a sua função. Os coeficientes de dilatação entre a geogrelha e o concreto asfáltico devem ser compatíveis. As diferenças entre coeficientes de dilatação produzem tensões de cisalhamento secundárias entre o asfalto e o material de reforço causadas pelos diferentes movimentos de expansão ou contração entre ambos materiais. Portanto, se localmente tais tensões chegam a alcançar a tensão limite de aderência, imediatamente se produzirá uma redução de aderência entre asfalto e o material de reforço. É importante notar que se o reforço deve absorver tensões de tração trabalhando em cooperação com a camada asfáltica, isso só é possível se esse estiver bem ancorado, pois só deve trabalhar, ou mobilizar resistência, se houver estímulo à sua deformação. Esta ancoragem é garantida por uma boa aderência com a camada asfáltica.